Lula da Silva está preso na superintendência na Polícia Federal na cidade de Curitiba desde 7 de abril de 2018.

A assessoria de comunicação de Luiz Inácio Lula da Silva informou esta quinta-feira que a Polícia Federal do Brasil está a tentar impor a presença de outros jornalistas durante duas entrevistas exclusivas que o ex-presidente deverá conceder na próxima sexta-feira.

“A Superintendência da Polícia Federal no Paraná determinou a constituição de uma plateia para jornalistas convidados por ela própria para assistir à entrevista sem direito de fazer perguntas”, informou a assessoria de comunicação numa nota publicada no ‘site’ do Instituto Lula.

“A decisão viola primeiro a decisão do Supremo [Tribunal Federal] , já que as entrevistas devem acontecer com anuência do ex-presidente, e também os jornalistas, a prática e a ética jornalística ao permitir que profissionais de outros veículos assistam a entrevistas exclusivas para outras publicações e publiquem antes uma entrevista pela qual os outros veículos lutaram na Justiça por meses”, acrescentou.

Lula da Silva está preso na superintendência na Polícia Federal na cidade de Curitiba desde 7 de abril de 2018 por ter sido condenado em duas instâncias num processo da Operação Lava Jato.

O ex-presidente havia marcado entrevistas exclusivas com o jornal espanhol El País e o jornal brasileiro Folha de S. Paulo, mas as mesmas foram suspensas por oito meses devido a uma decisão liminar, que foi cassada na semana passada.

Com a decisão que lhe permitiu falar com a imprensa as entrevistas seriam concedidas na sexta-feira, mas a autorização para que outros veículos de imprensa acompanhem os jornalistas do El País e da Folha de S.Paulo colocou a realização das mesmas em dúvida.

 

 

Por/Lusa

25/04/2019