Após a cirurgia de separação, as gêmeas que nasceram unidas pela cabeça foram colocadas em coma induzido. Uma delas, Lis, despertou antes do tempo previsto, um bom sinal segundo os médicos.

 

As gêmeas Mel e Lis, que nasceram unidas pela cabeça e passaram por uma cirurgia de separação no último sábado (27/4), estão se recuperando bem.

O neurocirurgião Benício Oton (esq.) e outro dos profissionais da equipe de 12 médicos que separou as gêmeas

“Todos os desafios propostos nós conseguimos realizar. Foi tudo dentro do planejado. Elas estão respondendo bem e aguardando a evolução do quadro”, disse nesta segunda-feira (29/4), o anestesiologista Luciano Fares, que integra o time de médicos do Hospital da Criança de Brasília, onde a operação foi realizada.

(foto: Divulgação/Hospital da Criança)

“Há pouco soubemos que a Lis acordou do coma induzido, antes do tempo esperado, o que é muito bom”, declarou. As meninas se recuperam na UTI do Hospital da Criança. “A cirurgia foi muito longa e elas precisam de descanso nesse momento”, completou Fares, referindo-se ao procedimento, que durou mais de 20 horas, sendo iniciado no sábado pela manhã e concluído já na madrugada de domingo.

Molde 3D que auxiliou na cirurgia (foto: Divulgação/Hospital da Criança )

 

Segundo Fares, a união da equipe de mais de 50 profissionais foi determinante para o sucesso da operação, décimo caso de sucesso no mundo e o terceiro registrado no Brasil, de acordo com a equipe. “Se nós não nos  uníssemos, não conseguiríamos separá-las”, afirmou o médico, que conheceu as garotinhas quando elas tinham 2 meses.

Mel e Lis na mesa de cirurgia (foto: Hospital da Criança/Divulgação )

Cuidados

Apesar da boa resposta, as meninas ainda não estão fora de risco e respiram com a ajuda de aparelhos. Os médicos garantem que esse procedimento é normal e deve continuar por pelo menos mais 24 horas.

Os pais observam Mel após a operação (foto: Hospital da Criança/Divulgação )

 

Fonte/Mariana Machado

29/04/2019