Já houve e ainda há vida em Marte.” A frase que tem causado polêmica entre os cientistas que buscam por vida alienígena é de William Romoser, professor emérito da Universidade de Ohio (EUA), que, nesta semana, apresentou um estudo no qual apresenta fotografias do que seriam insetos e répteis que viveriam até hoje no solo marciano.

O grande problema — e causa da controvérsia — do estudo de Romoser se deve ao fato de suas conclusões serem baseadas em fotografias de baixa qualidade tiradas do solo marciano por rovers enviados ao Planeta Vermelho pela Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos.

 

Após analisar uma série dessas fotografias, Romoser, que é especialista em entomologia (estudo dos insetos), percebeu várias figuras que, segundo ele são de insetos e répteis que vivem ou já viveram e foram fossilizados em Marte