A utilização da energia solar fotovoltaica tem ocupado amplo espaço no cenário energético mundial. Com o objetivo de reduzir gases poluentes, vilões do aquecimento global, os países investem em energias renováveis e em projetos de eficiência energética, substituindo, dessa forma, os combustíveis fósseis para a produção de energia elétrica. No Brasil, esta fonte ganha espaço e se mostra interessante nos quesitos técnicos e econômicos, tanto para fins residenciais quanto para comerciais.

Com o intuito de discutir sobre a forma como a energia solar foi inserida em diversos países, assim como as vantagens e desvantagens para a inserção no Brasil, será realizado, em Caxias, nos dias 10 e 11 de maio, o I Fórum Maranhense de Energia Fotovoltaica. A iniciativa é da Faculdade do Vale do Itapecuru (FAI) e conta com o apoio do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Caxias. Além da unidade do IFMA, apoiam o fórum a Prefeitura Municipal de Caxias e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O evento tem como público-alvo estudantes, profissionais e empresários interessados na temática. Palestras, minicursos e oficinas compõem a programação do fórum, que terá a participação do Senador Roberto Rocha e do diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Sandoval de Araújo Feitosa Neto.

Os interessados podem realizar inscrição até o dia 30 de abril no site do evento.

O diretor da Faculdade do Vale do Itapecuru (FAI), Paulo Marinho Júnior, aponta que o evento coloca Caxias como pioneira em “trazer o debate e a informação sobre essa energia barata e importante, além de levar ao público em geral conhecimento dos processos e mercado”, frisa.

“A missão institucional do IFMA é promover educação profissional, científica e tecnológica comprometida com a formação cidadã para o desenvolvimento sustentável”, destaca o diretor-geral, João da Paixão Soares. No âmbito do IFMA, em 2015, o Campus São Luís – Monte Castelo desenvolveu um mini sistema de captação e armazenamento de energia solar que é capaz de iluminar todas as dependências do departamento em uma ocasião de falta de energia fornecida pela concessionária. No Campus Bacabal, estimulados pelos altos índices de radiação solar encontrados no território maranhense, pesquisadores do IFMA desenvolveram um estudo de viabilidade para a instalação de sistemas fotovoltaicos na cidade.

Em 2018, o Campus Codó, a fim de solucionar as quedas na rede elétrica, o reitor do IFMA, Roberto Brandão, anunciou a implantação de um projeto de captação de energia solar, que será um projeto-piloto em todo o IFMA e futuramente será levado para outros campi.

“De maneira geral, os Institutos Federais têm o foco em sustentabilidade e gestão ambiental. Para isso, buscam manter um bom desempenho na gestão de recursos renováveis, como a geração de energia solar”, explica João da Paixão, citando como exemplo o Instituto Federal do Sul de Minas, que conquistou o 6º lugar no ranking das instituições de ensino brasileiras mais sustentáveis do mundo, segundo o ranking da Universidade da Indonésia (UI GreenMetric World University Ranking).

Fonte: ASCOM