Os olhos vivos e o sorriso de Wend não escondem o entusiasmo da menina com a escola em que estuda. “É minha segunda casa, aqui me sinto segura, aprendo a ser uma pessoa mesmo”, diz.

Com 16 anos, Wend Naely da Silva Rodrigues cursa o segundo ano do Ensino Médio no Centro de Ensino Maria José Aragão. Graças às atividades que desenvolve na escola, já tem ideia do que vai fazer no futuro.

“Vou fazer o Enem, e a faculdade que quero é de Teatro, quero estudar Teatro”, afirma. Ela até já ganhou uma bolsa de estudos para um curso profissionalizante na área após as apresentações com o grupo da escola. “Vou começar assim que acabar o Ensino Médio, é uma das exigências”, conta.

Rayanna Lis Magalhães, amiga de Wend, tem 15 anos e está no segundo ano do Ensino Médio. Para ela, os aprendizados da vida escolar vão além das fórmulas e regras gramaticais.

“Português, Matemática, tudo isso é muito importante, mas há outros aprendizados que só temos na escola”, diz. Quando perguntando que lições seriam essas, a menina que hoje atua, dança e grava vídeos explica como o ambiente ajudou na sua vida.

“A escola me mudou muito, eu era tímida, não tinha ideia do que faria da vida, hoje eu sei trabalhar em grupo, lidar com público e isso vai ser muito bom para o meu futuro”, comenta.

Ela também já tem ideia do que vai cursar na faculdade: “Pensei em Medicina ou Psicologia”.

A escola de Rayanna e Wend, localizada no bairro da Cidade Operária em São Luís, é uma das 850 unidades escolares já construídas, reconstruídas ou reformadas pelo Governo do Maranhão em pouco mais de quatro anos.

Sobre as celebrações pelo Dia Mundial da Educação, comemorado neste domingo (28), Rayanna destaca esse e outros avanços trazidos por programas como o Escola Digna, maior investimento do Governo do Estado em educação nos últimos anos.

“A escola é tudo na vida da gente e é muito bom estudar em uma boa escola. E principalmente saber que os professores recebem bons salários”, diz.

Avanços

Além do salário dos professores, que é o maior do Brasil para profissionais em início de carreira na rede estadual, o Maranhão melhorou a nota no Ideb.

O indicador do Ministério da Educação mostra que a nota do Ensino Médio em Português e Matemática subiu de 2,8 para 3,4 entre 2013 e 2017. O aumento é de 21%.  O Maranhão passou de 22º para 13º lugar no ranking nacional.

Também entre 2015 e 2017, mais de 100 mil pessoas deixaram o analfabetismo no estado. Mais de 1.500 novos professores foram contratados via concurso público, foram criadas 49 unidades de educação em tempo integral, entre elas os Iemas, institutos que combinam o Ensino médio com a formação técnica.

Outro destaque foram os 315 estudantes que fizeram intercâmbio no exterior com todas as despesas pagas, com o programa Cidadão do Mundo. “Isso tudo é muito bom e tenho muita vontade de fazer o intercâmbio”, disse Rayanna.

Para Wend, comemorar o dia da educação com avanços para o estado é especial, especialmente para os mais de 348 mil estudantes da rede estadual. “É nossa chance de futuro, sem a escola não seríamos nada”, completou.

Dia Mundial

Marco internacional para as reflexões sobre acesso e garantias, o Dia Mundial da Educação foi estabelecido após a realização do Fórum Mundial de Educação de Dakar, em 2000.

No encontro foram estabelecidas metas que são relembradas por instituições do mundo todo, entre elas melhoras do acesso à educação de qualidade, melhorar em 50% os índices de acesso à alfabetização para adultos, eliminar disparidades de gênero com a educação, entre outras.