Nina Martinez, de 35 anos, é a primeira pessoa viva com HIV positivo a doar órgãos. Os cirurgiões do Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, nos EUA, transportaram um rim doado por ela para um paciente também HIV positivo. As informações são do jornal americano “The Washington Post”.

O operação foi feita na última segunda-feira (25). Nina e o destinatário, que preferiu não se identificar, passam bem. Pela primeira vez em um ano, o paciente que recebeu o rim não necessitará de hemodiálise.

Antes do transplante de Nina, doações de órgãos entre HIV positivos só eram feitas quando o doador já estava morto.

Martinez adquiriu HIV com apenas seis semanas de vida após uma transfusão de sangue, em um período  que testes rigorosos não eram realizados antes de procedimentos do tipo. Atualmente, sua carga viral é indetectável.

O órgão foi colocado  no receptor por uma equipe separada de cirurgiões, o procedimento normal no transplante. A ação  foi realizada por Niraj Desai, professor assistente de cirurgia em Hopkins.

Nina e o receptor permanecerão em medicação anti-retroviral indefinidamente para controlar o HIV. A resistência à medicação para o HIV pode variar de pessoa para pessoa e  os médicos devem controlar de perto o receptor nos meses após o órgão doador ser colocado.  O receptor também tomará medicamentos para prevenir a rejeição de órgãos, e não se espera que estes interfiram consideravelmente  nos medicamentos supressores do HIV.

 POR MAYNARA GUAP

28/03/2019