Possivelmente você já ouviu falar de alguém que tentou suicídio ou conseguiu o objetivo de tirar a própria vida. Há uma estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que aproximadamente 804 mil pessoas tenham tentado suicídio no ano de 2017.

O número de pessoas que se suicidam no mundo hoje já supera o número de mortes por homicídio.

Mas, hoje em dia, muitos estudiosos do assunto, como a Psicóloga Cíntia Casal, diz quais ações podem ser adotadas em nosso cotidiano para ajudar você a promover a saúde emocional para as pessoas. Prevenir o suicídio é antes de tudo promover a vida, uma vida harmônica, com fraternidade e respeito!

Psicóloga Cíntia Beatriz Casal Fernandes

CRP 05/45141

Contato – 021 988963847

 

Closer: Quais as principais causas do suicídio?

Cíntia Casal: Além do fato do suicídio não ser visto como um problema de saúde pública, existem fatores que aumentam o risco de suicídio: bullying, baixa autoestima, problemas de família, dificuldades financeiras, dificuldade de inteiração social, histórico de abuso sexual, discriminação sexual e principalmente a depressão, por ser uma doença que muitas vezes passa despercebida pelas pessoas ao redor.
Para que possamos evitar mais casos de suicídio, é necessário inicialmente que o assunto deixe de ser um tabu e comece a ser discutido em todos os lugares, como escolas por exemplo, para que possam ser geradas estratégias de
prevenção. Também é necessário campanhas nacionais para a conscientização das pessoas em geral sobre os riscos da depressão.

Closer: Existem sinais que podem ser identificados em um suicida em potencial?

Cíntia Casal: O Suicídio é um fenômeno complexo, com causas variadas. As histórias individuais de cada um, como cada individuo lida com o sofrimento e a influencia do ambiente social em que a pessoa está inserida, podem levar a maiores ou menores chances do suicídio. A depressão e a patologia com maior correlação ao suicídio,
Devemos ficar atentos as mudanças de comportamentos, um sofrimento profundo, sendo comum pensamento possessivo, remoendo sentimentos, a vida para elas não tem sentido, dessa forma se sentem sem esperança e
incapaz de mudar a sua condição. E comum ver pessoas depressivas e suicidas sem energia para realizar tarefas básicas. Também é comum que a pessoa repita algumas frases que deixam no ar a possibilidade de ela não estar mais ali nos próximos dias. Frases como “quero sumir”, “não consigo mais aguentar
isso”, “estou cansado da vida, não quero continuar”. Essa pessoa precisa de ajuda.

Closer: É possível evitar que alguém próximo de nós se mate?

Cíntia Casal: Sim. Se você tem motivos para crer que alguém que você conhece está pensando em cometer suicídio, o melhor seria ajudar esta pessoa a procurar ajuda imediatamente. Devemos ficar atentos as mudanças repentinas do
comportamento, identificando essas mudanças, imediatamente procure ajuda de um profissional da saúde mental, psicólogos, psiquiatras, etc. Mas também precisamos entender que alguns suicídios acontecem sem um pedido de
socorro ou uma manifestação clara de descontentamento com a vida.

Closer: Quais os quadros médicos mais comuns que podem denunciar um suicida?

Cíntia Casal: Alguns quadros ou patologias podem estar correlacionados ao suicídio, como a Depressão, Síndrome do pânico, Borderline, ansiedade. Todos esses devem ser tratados com todos os cuidados necessários para evitar o suicídio.

Closer: O que fazer se você pensa em suicídio?

Cíntia Casal: Quando a dor, o desespero e a solidão se tornam insuportáveis, o suicídio pode parecer a única forma de se libertar do sofrimento. No entanto, embora seja difícil enxergar agora, existem outras opções que trarão alívio e vão mantê-lo vivo para sentir a alegria, o amor e a liberdade mais uma vez. Você pode tomar algumas medidas para começar a se sentir melhor, como procurar se manter seguro durante uma crise, elaborar um plano para lidar com essa fase difícil e refletir sobre os motivos que o levaram a pensar em suicídio. Telefone para uma linha de apoio e prevenção do suicídio. Você não precisa atravessar este momento sozinho.  Precisa de ajuda? Ligue para o CVV no 188 finalizou a psicóloga.

 

SETEMBRO AMARELO

Diante desse quadro de grande vulnerabilidade da vida, desde 2015 existe uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio chamada de SETEMBRO AMARELO . Nessa campanha, profissionais de saúde pública realizam diversas ações de prevenção ao suicídio e valorização da vida.

Ações como palestras, rodas de conversas, caminhadas e outros diversos tipos de eventos e atividades, onde se discute sobre a prevenção ao suicídio e promoção de saúde mental.

A psicologia tem um papel fundamental dentro dessa temática, visto que promover a saúde e o equilíbrio emocional é um dos pontos centrais do trabalho do psicólogo.

Através da psicoeducação, principalmente, visamos esclarecer os principais mitos relacionados ao tema, diminuir o preconceito e promover informações úteis e de qualidade a respeito dessa doença para população em geral.

Então, em setembro e em todos os outros meses do ano vamos ter uma atitude de escuta e acolhimento para com o outro e uma postura de não julgamento.

Dessa forma nós contribuímos para promover vida e para tornar a vida das pessoas e a nossa própria vida melhor. Promover a vida é prevenir o suicídio.

 

Por/ Deh Pittelli

29/04/2019