O ex-BBB se defendeu ao comentar caso que repercutiu ainda no domingo de votação.

Após postar imagens de urna eletrônica com a legenda “Vota y vota” durante as eleições municipais do último domingo (15/11), o ex-BBB Felipe Prior esclareceu que não tinha a intenção de cometer nenhuma irregularidade, e que não tinha noção de que o caso “iria repercutir”.

“Eu peguei e fiz uma brincadeira com o meu público. ‘Tive um bilhão de votos no meu paredão com a Manu e a Mari’. Pensei, ‘hoje é dia de votar, estou dando um exemplo, fazendo minha parte’. […] Fiz aquilo, mas eu não tinha a noção de que iria repercutir”, afirmou Prior em entrevista ao canal Eu fico loko, no YouTube, na noite desta segunda-feira (16/11).

O ex-BBB ainda completou: “Eu ainda tô acostumando (com o grande número de seguidores e a relação com as redes sociais), na vida você aprende muito com os erros, né? Ontem eu cometi um desses, mas não foi na maldade. Isso é o principal”.

De acordo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o parágrafo único do artigo 91-A da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições) proíbe o ingresso do eleitor, na cabine de votação, portando celular, máquina fotográfica e filmadora. O artigo 14 da Constituição afirma que a “soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto”.

A pena para o descumprimento da lei é de até dois anos de detenção, visto que o o artigo 312 da Lei nº 4.737/1965 (Código Eleitoral) tipifica como crime eleitoral “violar ou tentar violar o sigilo do voto”. Segundo a foto compartilhada, a zona eleitoral de Prior é no Colégio Delta, no bairro de Santana, em São Paulo.

Por/Ronayre Nunes

Correio Braziliense